terça-feira, 21 de outubro de 2014

Petrobrás perde 40% de valor em 3 anos e cai em ranking de petrolíferas Empresa passou da segunda para a quarta colocação na lista de maiores empresas de gás e petróleo dos Estados Unidos e América Latina, segundo estudo da Economatica


SÃO PAULO - A Petrobrás perdeu 40% do seu valor de mercado em três anos e passou da segunda para a quarta posição no ranking das maiores empresas de gás e petróleo dos Estados Unidos e da América Latina, segundo levantamento da consultoria Economatica para o Estado.
A estatal valia US$ 199,3 bilhões no dia 1º de janeiro de 2010, valor que despencou para US$ 119,9 bilhões nesta quarta-feira - uma diferença de quase US$ 80 bilhões. Em 2012, a Petrobrás foi ultrapassada pela primeira vez pela Ecopetrol e a diferença agora se amplia. A empresa colombiana está avaliada hoje em US$ 130,1 bilhões e ocupa o terceiro lugar no ranking.
Com trajetória oposta à da concorrente brasileira, a Ecopetrol viu o seu valor de mercado disparar 165% no mesmo período, roubando o posto da Petrobrás de maior empresa latino-americana. As norte-americanas ExxonMobil e Chevron, que atualmente lideram o ranking do setor, também se valorizaram entre 2010 e 2013, com altas de 27,7% e 47,5%, respectivamente.
Para o professor de finanças do Insper Ricardo Almeida, o principal fator que explica o descolamento da Petrobrás é a decepção dos acionistas minoritários com a bilionária capitalização da companhia, realizada em setembro de 2010. "O governo fez a cessão onerosa de uma forma que as regras ficaram muito questionáveis. Houve um desequilibro entre as condições do governo e a dos outros investidores", explica Almeida.
A chamada cessão onerosa foi uma troca feita entre a União e a Petrobrás. O governo "cedeu" barris de petróleo do pré-sal para a estatal e, em troca, recebeu ações da empresa. Nessa operação, na visão do mercado, o governo aumentou a sua participação na companhia com base em um valor superestimado do barril.
"Temos ainda um componente de incerteza que é a revisão dessa cessão onerosa, quando teremos as mesmas dúvidas que ocorreram em 2010 em relação ao preço do barril", destaca Almeida. Para ele, enquanto a revisão estiver pendente, o papel da empresa seguirá pressionado. A nova leitura está marcada para setembro de 2014.
Interferência
Para o analista-chefe da corretora SLW, Pedro Galdi, prevalece a sensação de que o governo está interferindo fortemente na Petrobrás, destruindo seu valor. "Lá na frente, a empresa pode ficar sufocada por prejuízos e não conseguir nem mesmo tocar o pré-sal."
Na visão de Galdi, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) impulsionou a produção de carros no País, sem que o refino de combustíveis tenha crescido na mesma proporção. "Por esse motivo, a companhia precisa importar e paga um preço maior lá fora do que vende aqui dentro."
O reajuste de 6,6% para a gasolina e de 5,4% para o diesel, anunciado pela estatal na última terça-feira, não foi suficiente para mudar o ânimo dos investidores. Apenas no pregão desta quarta-feira, as ações ON da Petrobrás recuaram 5,12%, enquanto as PN caíram 4,76%. Grande parte dos analistas esperava um reajuste maior, entre 7% e 10%. Segundo Galdi, mesmo com a alta nos preços, ainda resta uma defasagem de 6% no valor da gasolina.
Ânimo minado
A perda de valor de mercado da Petrobrás nos últimos três anos também é reflexo da frustração dos investidores com a empresa, afirma o analista da corretora Coinvalores Bruno Piagentini. "O ânimo com o pré-sal foi minado ao longo do tempo com números de produção abaixo da meta e atrasos em projetos, que elevaram os custos." Segundo ele, o mercado agora está apenas precificando a forte ingerência do governo na empresa.
Piagentini destaca, contudo, que a troca de comando na companhia - agora presidida por Graça Foster - trouxe mais transparência, além de um planejamento mais realista. "Não acredito que os papéis vão despencar muito mais. Agora os investidores estão de olho nos números de produção." Os dados financeiros e de produção serão publicados na próxima segunda-feira.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Maioria dos governos estaduais ignora renda complementar ao Bolsa Família Dois anos após plano ser lançado, apenas quatro Estados - RJ, ES, MT e RS - e o DF formalizaram pactos no qual se comprometem com recursos adicionais ao que é pago pelo programa federal


SÃO PAULO - Em junho de 2011, ao lançar o Brasil Sem Miséria, a presidente Dilma Rousseff fez um apelo aos governadores. Disse que o apoio deles seria "fundamental" para atingir a meta de retirar 16,2 milhões de brasileiros da situação de miséria. Nos meses seguintes ela visitou cada região do País para reforçar o pedido e formalizar iniciativas conjuntas. Passados dois anos, levantamento feito pelo Estado mostra que essa relação entre o governo federal e as unidades federativas para o combate à miséria ainda patina.
Veja também:
A maioria dos governadores declara apoio à iniciativa de Dilma e procura atrair recursos do programa para seus Estados. Mas eles ainda investem pouco de seus cofres.
Devido à diversidade das frentes de ação desencadeadas pelo Brasil Sem Miséria, o levantamento focou a atitude dos Estados na questão da transferência de renda - um dos três pilares do programa, ao lado da inclusão produtiva e do acesso a serviços públicos de qualidade. Verificou-se, a partir de informações fornecidas pelos governos, que 17 Estados e o Distrito Federal possuem algum tipo de programa de transferência de renda; e que eles variam de repasses regulares e mensais às famílias mais vulneráveis a benefícios concedidos sazonalmente a trabalhadores rurais, bolsas para combater a evasão escolar, abonos de Natal.
De acordo com as mesmas fontes, durante todo o ano de 2012 as transferências feitas por esses Estados beneficiaram 1,4 milhão de famílias, com um total aproximado de R$ 970,6 milhões. Os números não são muito diferentes dos registrados em 2011, indicando que a resposta ao apelo de Dilma tem sido lenta.
Por mais que os números engordem nos próximos anos, porém, dificilmente se aproximarão das cifras que saem de Brasília sob a mesma rubrica da transferência de renda. A planilha mais recente do Bolsa Família mostra que beneficiou 13,7 milhões de unidades familiares no mês de julho, com recursos de R$ 2,1 bilhões. É mais do que o dobro do que foi despendido durante todo o ano de 2012 por todos os programas dos Estados. Uma antiga reclamação dos governadores é que a arrecadação está concentrada nas mãos da União, o que impede investimentos mais robustos das unidades federativas.
Pactos. O governo federal vem tentando costurar pactos com os Estados, para que se comprometam com programas de transferência de renda regulares e complementares ao Bolsa Família. Até agora, porém, apenas quatro Estados - Rio, Espírito Santo, Mato Grosso e Rio Grande do Sul - e o Distrito Federal formalizaram tais pactos de iniciativas conjuntas.
Dois governadores desse grupo são filiados ao PT, o partido da presidente Dilma: Tarso Genro, do Rio Grande do Sul, e Agnelo Queiroz, do Distrito Federal. Os outros três estão na base aliada: Renato Casagrande (PSB), do Espírito Santo; Sérgio Cabral (PMDB), do Rio; e Silval Barbosa (PMDB), do Mato Grosso. Juntos, seus governos transferem cerca de R$ 27 por mês às famílias inscritas no Bolsa Família.
O governador do Rio foi o primeiro a responder ao apelo de Dilma e, através do pacto, passou a assegurar uma renda mínima per capita de R$ 100 para cada família beneficiada pelo Bolsa Família - cujo teto é de R$ 70 per capita. Isso significa que, nos casos em que a renda per capita não atinja R$ 100 mesmo após a transferência dos vários tipos de benefícios pagos por Brasília, o Estado complementa. No ano passado foram beneficiadas 212,6 mil famílias cariocas, com R$ 178,9 milhões.
O teto mais alto pactuado até agora com Brasília encontra-se no Distrito Federal, onde o governo local assegura um complemento até R$ 140 per capita.
Apesar de não terem formalizado pactos com o governo federal, outros sete Estados mantêm programas regulares de transferência de renda para as famílias mais pobres. Apenas dois deles, porém, no Paraná e em Santa Catarina, foram criados após o apelo de Dilma. Nos Estados do Amapá, Goiás, Mato Grosso do Sul, Roraima e São Paulo eles já existiam.
O do Amapá iniciou em 1996, segundo informações do governo. Denominado Renda para Viver Melhor, foi expandido no mandato de Camilo Capiberibe (PSB), que agora se articula para ser o próximo governador a formalizar o pacto com Brasília.
Ainda no grupo de Estados com ações de transferência sem pactos formais, quatro são dirigidos pelo PSDB, partido de oposição ao governo Dilma. Um deles, Marconi Perillo, destaca que o Renda Cidadã de Goiás existe desde 2000 e tem seus próprios focos. Não é um complemento do programa federal e no ano passado beneficiou 65,5 mil famílias, com R$ 101,1 milhões.

Petista e tucano. O recorte dos programas varia de um Estado para outro e nem sempre é possível identificá-los pela filiação partidária do governador.
Um exemplo disso aparece na mesma lista de pagamento de julho do Bolsa Família. Ela indica que o Estado que mais recebeu recursos no mês foi a Bahia, com R$ 275,6 milhões, destinados a 1,7 milhão de famílias; e que Roraima foi o que menos recebeu, com R$ 7,7 milhões, para 46,2 mil famílias.
O curioso é que a Bahia, do governador petista Jaques Vagner, não tem programa de transferência direta de renda. Segundo sua assessoria, prefere investir em ações de inclusão produtiva. Em contrapartida, o governador de Roraima, o tucano José de Anchieta Júnior, aposta no Crédito Social, programa de transferência que destinou R$ 74,4 milhões em 2012 para 51 mil famílias. Considerando o pequeno tamanho do Estado, é um dos programas mais bem fornidos do País.
Transferência de renda não é a única ação reservada aos Estados e vários deles desenvolvem outros projetos contra a miséria. Ela pode ser um bom parâmetro, porém, para começar a identificar ruídos nas articulações de Brasília com alguns governadores, os interesses deles por programas sociais e os limites da capacidade dos Estados.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

1ª Rodada da primeira fase. jogos de volta. Cancelada novamente por forte chuvas que caíram no Município. 26 "Eleições" dia 02 Finados 08, 09 Provas do Enem. Rodada Agora só 16 de novembro.

   

Jogos de Hoje Domingo dia 12 de Outubro de 2014


Chave "A"

Liberal           x       Barrense

Beira-Mar     x      Olaria
Folga............Cocuruto
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Chave  "B"

Bonsucesso   x       Varzense

Capivarense  x       Oriente
Folga......Passinho
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Chave"C"

Guarani        x         Bujuruense

Bojuru         x         Flamengo
Folga...........Ari Barroso

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Mentira não aumenta o nariz, apenas diminuem a confiança...............


                                                                           João Pé Na Bola
Lula diz que candidata em 2014 é Dilma e defende gestão ‘pró-povo’
Ao falar após antecessor, presidente relaciona opositores a ‘timbres do atraso’ e promete que o País voltará a crescer com estabilidade; partido lança slogan ‘do povo, para o povo, pelo povo’
Curtir (desfazer) ·  ·  · Promover · há 18 horas · 

  • Você curtiu isso.
  • Cinelande Borges Caminha qual e a tua nao tens mais assunto pra comentar.nao te preocupes com o PT.ele e como massa de pao quanto mais tu bate;;;;;MAIS ELE CRESCE ;;;AHAHA;;;KIKIKIKIKIKI;;;;;
    há 18 horas · Curtir · 1
  • Maria Regina Malta Perazzo ADoroooo ..Cara Cinelande Borges Caminha, vereadora eles nos dão IBOPE...kkkkkk e realmente crescemos igual a massa de pão..
    há 16 horas · Editado · Curtir · 1
  • João Pé Na Bola Eu não, são os Jornais do Brasil que estão falando , quem sou para dizer que o PT faz ou desfaz isso, KKKKKK para vcs ou não estamos numa democracia. leiam e depois argumentem.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Digníssimos Professores. Matéria deste blogueiro.


Está semana o “Pé na bola” quer homenagear seus professores, pois, cada um contribui para que eu realizasse está coluna.
Aprendi como me guiar em uma sociedade, meia complexa mas os ensinamentos levaram me a ter a consciência que estou trilhando o melhor caminho, para mim e minha família e isto tudo devo aos ensinamentos que aprendi com os meus professores, por isso sinto um orgulho em dizer que jamais esquecerei de Terezinha Linei, Sônia tissot, Loureno Pastore, Waldir, Ada Porto, Leci Pontes Saraiva, Maria Lúcia Pinheiro, Inis Pontes, Wilson Adão Jardim, Jurema Amaral,Maria Isabel(Bela) e os Saudosos Guilherme Costa Neto e Juarez Machado entre outros que passaram pela minha vida escolar.
Vi e acompanhei por longos anos, a nobre tarefa de ensinar, desses professores que se sentiam inspirados fora da rotina, para ajudar, facilitar e nos inspirar, para nos desenvolver as reais virtudes e a formação de caráter para nos sobrepor a maldade.do Ser Humano.
E parece que eles conseguiram nos encaminhar para as mais nobres realizações da vida. Pois muitos de meus colegas se formaram bacharéis, professores, técnicos e outras profissões, e eu aprendi com a vida a ter consciência do que você pode realizar com as palavras e falo que aprendi mais escutando do que me expressando e nunca me vangloriando.
Pois conheço infelizmente muita gente em nossa terra que se atribui virtudes e conhecimentos que não os têm.
Como felizmente tenho oportunidade de me expressar em colunas de Jornais daqui como na cidade vizinha não com sapiência até porque não sou escritor, mas com que aprendi nesta vida nada fácil mas consigo perceber e notar que em nossa cidade como as pessoas gostam de rotular seus semelhantes, sem se quer conhecer.Mas isso não me importa, o que eu quero guardar com carinho e respeito, São esses professores de minha época É aprecio a luta dos atuais que também labutam para ter o seus salários Dignos e um plano de carreira pois os mesmos tem passado inúmeras humilhações e dificuldades, coisas que não poderia acontecer, sabemos que eles educam os jovens, para um futuro promissor, pois sem sabedoria ninguém chega lá.




Pé na bola.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Times amadores de São José do Norte, que foram Campeões Municipais .Números de quantas vezes cada um foi campeão.


















campeonatos Disputados por  LIGA - CMD _DME

Obtiveram Exito (treze) 13  Agremiações. Foram Campeãs do Amadorismo Nortense

 São José do Norte , já teve 32 Equipes disputando o campeonato amador, tornou o maior campeonato da zona Sul. 

com o tempo começou o exito Rural trazendo um pouco das comunidades para a cidade não deixando as raízes e com o tempo muitos foram fechado e outros não disputam mais o campeonato, mas, mesmo assim todos os anos participão de 14 a 18 Equipes, onde cada uma representava sua comunidade.
                                             

 Campeões Nortense de Futebol deste 1959

    Bandeira Oficial

Lista desde 1959 0s times amadores de São José do Norte, que Chegaram ao titulo Máximo de Campeão do Município.
       
                                              TITULOS
Liberal F.C               l959 - 60 - 62 - 67 - 91 - 92 - 93 - 94 - 96 - 98 - 2001         (11) títulos


Bento Gonçalves      74 - 76 - 80 - 81 - 84 -  85 - 88 - 90                                      (08) Títulos
 

Oriente                     61 - 64 - 68 - 70 - 71 - 75                                                     (06) Títulos


Beira Mar                 95 - 2005 - 2006 - 2008 - 2009 - 2011                                (06) Títulos


Barrense                   97 - 2002 - 2003 - 2004 - 2010-2012                                  (06) titulos


Bojuru                      65 - 69 - 83 - 99                                                                   (04) Títulos


Ari Barroso              79 - 86 - 87 - 89                                                                   (04) Títulos
                                                             

Ferrari                      63 - 66                                                                                  (02) Títulos


Divisa                       73 - 82                                                                                  (02) Títulos


Cocuruto                  72                                                                                          (01) Título


Guarani                    77                                                                                          (01) Título


Tamandaré              78                                                                                           (01) Título                                                                                     


Fortaleza                 2007                                                                                       (01) Título                                                                           


                                                                                   
                                                                Pé na Bola
         

domingo, 12 de outubro de 2014

Deputados Federais eleitos pelo Rio Grande do Sul

Afonso Hamm
Afonso Motta
Alceu Moreira
Busato
Carlos Gomes
Covatti Filho
Danrlei
Darcísio Perondi
Elvino Bohn Gass
Fernando Marroni
Giovani Cherini
Giovani Feltes
Heitor Schuch
Henrique Fontana
Jerônimo Goergen
João Derly
José Luiz Stedile
Luis Carlos Heinze
Márcio Biolchi
Marco Maia
Marcon
Maria do Rosário
Nelson Marchezan Junior
Onyx Lorenzoni
Osmar Terra
Paulo Pimenta
Pepe Vargas
Pompeo de Mattos
Renato Molling
Ronaldo Nogueira
Sérgio Moraes

sábado, 11 de outubro de 2014

Deputados Estaduais Eleitos e releitos no Rio Grande do Sul - Brasil


                                                           



                                                 
O Deputados da zona Sul.














        Deputados Estaduais eleitos
                                                 
Adão Villaverde
                                                                             Adilson Troca
                                                                                                                              Adolfo Brito
                             Alexandre Postal     
                                                                           Aloisio Classmann
                                                                                                           Altemir Tortelli
                                                                             Álvaro Boessio
Any Ortiz
                               Ciro Simoni
                                                                                     Diogenes Luis Basegio (Dr Basegio)
Edegar Pretto
                                          Edson Brum
                                                                                                          Eduardo Loureiro
Elton Weber
                                          Enio Bacci
                                                                           Ernani Polo
Fábio Branco
                                                    Frederico Antunes
                                                                                                               Gabriel Souza
Gerson Burmann
                                                  Gilberto Capoani
                                                                                                          Gilmar Sossella
                                                             Jardel
Jeferson Fernandes
                                                                                                             João Fischer
                                                    João Reinelli
Jorge Pozzobom
                                                                                                              Juliano Roso
Liziane Bayer
                                                                                                                Lucas Redecker
                                              Luís Augusto Lara
                                                                                                       Luiz Fernando Mainardi
                                            Manuela D'AvilMarcelo Moraes
Marlon Santos
                                                                                                    Maurício Dziedricki
Miguel Bianchini
                                                         Miki Breier
Miriam Marroni
                                                                                                             Missionário Volnei
Nelsinho Metalúrgico
                                                      Pedro Pereira
Pedro Ruas
                                                                                                           Pedro Westphalen
Regina Becker
                                                   Ronaldo Santini
Sérgio Peres
                                                                                                            Sérgio Turra
Silvana Covatti
                                                     Stela Farias
Tarcísio Zimmermann
                                                                                                               Tiago Simon
Valdeci Oliveira
                                                Vilmar Zanchin
Zé Nunes